Você sabe o que é Deiscência de Sutura? Saiba quando ocorre e como prevenir!

Deiscência de sutura

Quando há ruptura de tecidos, seja por conta de cirurgias, traumas, cortes, ou qualquer outro motivo, é preciso suturar: isto é, unir dois bordos com fio específico e técnica adequada.

Mas, existem situações, desencadeadas por diversos motivos que podem fazer com que os pontos se “soltem”, causando assim, a deiscência da sutura.

O que é o profissional precisa saber sobre esta condição? Saiba tudo a seguir!

 

Quando ocorre?

O processo de cicatrização ocorre em três fases:

  • Inflamação: ocorre do primeiro dia até por volta do 5°, e caracteriza-se pelo início da proliferação de colágeno II e fibronectina.
  • Proliferação: prolonga-se até a 2ª semana, quando aumenta a produção de colágeno II, enquanto a fibronectina diminui.
  • Remodelação: como o próprio nome sugere, há remodelação, e portanto, substituição do colágeno II por tipo I, aumentando a resistência do tecido e também melhorando a estética.

Levando em conta a fisiologia, é de se esperar que a ruptura ocorra nas duas primeiras fases, mais comumente, até o 10º dia.

Isso porque, dentro deste período, o corpo “trabalha” apenas para aproximar as bordas e cicatrizar superficialmente, não havendo ainda a recuperação da resistência do tecido.

 

Quais fatores influenciam?

Conhecer os fatores da deiscência da sutura é uma tarefa essencial para saber tratá-la e também preveni-la. Dentre os principais motivos, encontra-se:

  • Idade: pessoas idosas são mais suscetíveis, devido à redução da resposta cicatricial.
  • Diabetes: dizer que “indivíduos com diabetes demoram mais pra cicatrizar” é, infelizmente, verdade.
  • Tabagismo: indivíduos que fumam estão mais suscetíveis.
  • Drogas: alguns medicamentos podem favorecer o processo, devido à imunossupressão, e consequentemente, redução da resposta (ex: corticoides).
  • Deficiência de vitamina C: como auxilia a formação de colágeno, sua ausência pode dificultar a cicatrização.
  • Esforços: não seguir as orientações médicas de repouso, e assim, “forçar” a cicatrizar, pode também levar a ruptura.
  • Infecção: principalmente em cirurgias, a ruptura de pontos ou mesmo a abertura após a retirada destes, pode dever-se a infecções.
  • Técnica: o emprego de fio inadequado, ou técnica de sutura inadequada, podem ser motivos para tal condição.

 

Como agir? 

O papel do enfermeiro está principalmente na prevenção da deiscência, visto que ele é o profissional responsável por troca de curativos e limpeza das feridas, e, portanto, será o primeiro a identificar tal condição.

O tratamento deverá ser individualizado, levando em conta as comorbidades de cada paciente, tipo de cirurgia, e muito mais.

Marcus Vinícius

Olá, meu nome é Marcus Vinícius. Sou blogueiro, enfermeiro e responsável técnico pelo Centro de Atenção Psicossocial CAPS I do Município de Lagoa da Prata/MG. Este blog tem o objetivo de trazer um conteúdo esquematizado e de fácil assimilação. Aproveite e entre em contato em caso de dúvidas e sugestões!

Website: http://www.enfermagemesquematizada.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *