Sintomas de Diabetes Mellitus

SINTOMAS DE DIABETES

Os sintomas de Diabetes Mellitus são provocados por defeitos na secreção de insulina e/ ou sua ação. Os sintomas clássicos de diabetes  são aqueles que chamamos de os “4 P’s”. São eles:

  • Poliúria (Micção excessiva e anormal);
  • Polidipsia (Excessiva sensação de sede);
  • Perda Inexplicável de Peso;
  • Polifagia (Fome Excessiva e ingestão anormal alta).

Os “4 Ps” são sintomas chaves para o diagnóstico correto do diabetes, no entanto existem sintomas de diabetes menos específicos como:

  • Fadiga;
  • Fraqueza;
  • Letargia;
  • Visão Turva;
  • Prurido vulvar ou cutâneo;
  • Balanopostite (inflamação da glande e do prepúcio).

COMPLICAÇÕES DO DIABETES

O diabetes pode levar á algumas complicações crônicas e doenças intercorrentes tais como:

  • Proteinúria;
  • Neuropatia diabética evidenciado por câimbras, parestesias e/ou dor nos membros inferiores e mononeuropatia de nervo craniano;
  • Catarata;
  • Retinopatia diabética;
  • Doença arteriosclerótica podendo levar ao infarto agudo do miocárdio, acidente vascular encefálico e doença vascular periférica;
  • Infecções de repetição.

CLASSIFICAÇÃO DO DIABETES

O Diabetes Mellitus se classifica em:

  • Diabetes Mellitus Tipo I;
  • Diabetes Mellitus Tipo II.
  • Diabetes Gestacional;
  • Outros tipos de diabetes.

Neste artigo iremos falar sobre os diabetes tipo 1, 2 e gestacional.

Diabetes Mellitus Tipo I

Cerca de 10% dos diabéticos são do tipo 1. O início do sintomas de diabetes tipo I é abrupto, iniciando-se geralmente na infância e adolescência, sem presença de excesso de peso. Os sintomas de diabetes tipo I são bem mais acentuados no qual a hiperglicemia é grave e ocorre cetoacidose quando não é administrado a insulina.
A classificação “tipo I” indica que há um processo de destruição das células beta pancreáticas levando á deficiência absoluta de insulina. A administração de insulina se faz necessáia para evitar complicações potenciais da doença.

ENTENDA A CETOACIDOSE DIABÉTICA – Clique Aqui!

Etiologia Diabetes Tipo 1

No diabetes mellitus tipo 1, um processo autoimune provoca uma destruição progressiva das células beta pancreáticas. Como as células beta das ilhotas de langerhans são responsáveis pela produção de insulina e este hormônio tem a função de captar a glicose do sangue para os tecidos corpóreos, o portador de diabetes tipo 1, terá um quadro exacerbado hiperglicemia se não fizer a administração injetável da insulina por via subcutânea.

Diabetes Mellitus Tipo 2

Os sintomas de diabetes do tipo 2 são mais brandos e tem início incerto. Geralmente ocorre na fase adulta cujos principais fatores de risco são a obesidade e dieta rica em açúcar e gordura. A doença é provocada pelo aumento da resistência da ação da insulina associado a um defeito na sua secreção. Diferentemente do diabetes tipo 1 em que não há secreção de insulina, no diabetes do tipo 2 há uma secreção de insulina porém em quantidade menor. Isto explica porque os sintomas do diabetes mellitus do tipo 2 são mais brandos que os sintomas de diabetes do tipo 2. A cetoacidose no diabetes tipo 2 é rara  e o paciente já tem o controle glicêmico com o uso de fármacos hipoglicemiantes sem que haja a necessidade de utilizar a insulina.
Outro fator que merece destaque é que o diabético do tipo 2 pode permanecer assintomático por vários anos com  riscos de complicações a médio e longo prazo como por exemplo doença aterosclerótica e infecções de repetição.

Etiologia do Diabetes tipo 2

A causa do diabetes tipo 2 ainda não está totalmente esclarecida. A idade em que a doença surge geralmente ocorre após os 40 anos com pico nos 60 anos sendo que a sua causa é uma combinação de fatores genéticos e ambientais. Os fatores ambientais envolvidos são:

  • Sedentarismo;
  • Dietas ricas em gordura;
  • Envelhecimento.

Diabetes Mellitus Gestacional

O diabetes Mellitus Gestacional é um estado de hiperglicemia detectado pela primeira vez na gravidez. Vale ressaltar que, se a mulher já tinha diagnóstico médico de diabetes mellitus tipo 1 ou tipo 2 antes da gravidez, ela não terá o diagnóstico de diabetes gestacional.

Os sintomas de diabetes gestacional são mais brandos. Hiperglicemias detectadas na gravidez caracterizam a doença independente do período gestacional e da sua resolução ou não após o parto. A detecção deverá ser realizada ainda no pré-natal afim de evitar complicações tanto para a gestação quanto para o feto.

 

Apostilas para Concursos Públicos

Assistente Social, Enfermagem, Técnico em Enfermagem, Psicologia!

Apostilas Para Concursos! CLIQUE AQUI!

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica . Diabetes Mellitus. CADERNOS DE ATENÇÃO BÁSICA. Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica . Diabetes Mellitus: Estratégia Para o Cuidado da Pessoas com Doença Crônica. CADERNOS DE ATENÇÃO BÁSICA. Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2013.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. Itapevi,SP: A. Araújo Silva Farmacêutica, 3ed., 2009.

GROSS, Jorge L. et al. Diabetes Melito: Diagnóstico, Classificação e Avaliação do Controle Glicêmico. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia, São Paulo, v. 46, n. 1, Fev. 2002. <http://www.scielo.br/>. Acesso em: 30 Set. 2017.

 

 

marcus

Olá, meu nome é Marcus Vinícius, tenho 32 anos. Sou blogueiro, enferrmeiro e referência técnica do Centro de Atenção Psicossocial CAPS I de Lagoa da Prata/MG. Sou graduado em Enfermagem pela Universidade de Uberaba UNIUBE. Os meu objetivo neste blog é trazer um conteúdo esquematizado e de fácil entendimento para te auxiliar nas suas pesquisas e estudos na área de enfermagem, saúde pública e saúde como um todo.

Website: http://www.enfermagemesquematizada.com.br

Deixe uma resposta