Menopausa

Menopausa

Menopausa, como o próprio nome já sugere, é o termo técnico relativo á última menstruação. No entanto, só é considerada menopausa quando a mulher está há pelo menos 1 ano sem menstruar.

Quando ocorre a menopausa?

A menopausa é:

  • Frequente entre os 48 a 51 anos de idade da mulher;
  • Normal entre 40 a 55 anos de idade da mulher;
  • Considerada menopausa precoce antes dos 40 anos de idade;
  • Considerada menopausa tardia após os 55 anos de idade da mulher.

Resumo sobre o Ciclo Menstrual

O ciclo menstrual tem duração média de 28 dias sendo o primeiro dia do ciclo correspondente ao primeiro dia da menstruação. O ciclo menstrual é composto por 3 três fases: folicular, ovulatória e secretória.

Fase Folicular

Os ovários tem estruturas chamadas de folículos primordiais. Cada folículo contem um óvulo contendo o código genético. Para tornar o óvulo em condições de fecundação para depois dar origem a uma gestação, os folículos precisam de desenvolver. O hipotálamo libera o de um hormônio liberador de gonadotrofina (GNRH) que atua sobre a hipófise fazendo-a liberar o  hormônio folículo estimulante (FSH).

O FSH  ao chegar até os ovários, promoverão o desenvolvimento de 8 a 10 folículos ovarianos. No entanto, somente um folículo irá se desenvolver sendo que o restante irá sofrer atrofia.

Os folículos desde o inicio de seu desenvolvimento irão sintetizar e secretar o hormônio esteroide mais importante do ponto de vista estrogênico que é o estradiol. O estradiol, promove o espessamento do endométrio, camada interna do útero, local que será implantado o óvulo fecundado para gerar a gravidez.

A fase folicular tem como principal característica o desenvolvimento folicular e tem o seu término na ovulação.

Fase ovulatória

Outra importante função do estradiol é a sua ação sobre a hipófise anterior, fazendo com que ela secrete o hormônio luteinizante (LH). O LH irá promoverá a ovulação e a transformação do folículo que ovulou em corpo lúteo. Essa fase dura até 3 dias.

Fase Secretória

Após liberar óvulo, o folículo irá se transformar em corpo lúteo por ação do LH. O corpo lúteo continuará sintetizando estradiol, importante para manter o endométrio espesso, e também sintetizará a progesterona. A progesterona tem a função de formar uma espécie de muco no qual fará o aprisionamento do óvulo fecundado na parede do endométrio.

Caso não haja fecundação, o corpo lúteo irá regredir. A diminuição do estradiol e progesterona que mantinham o endométrio bem espesso, fará com que esse endométrio se descame formando a menstruação. A partir da menstruação, novos folículos iniciarão o seu desenvolvimento iniciando um novo ciclo.

Na fase secretória, o FSH está baixo pois o estradiol produzido pelo corpo lúteo atua sobre a hipófise anterior fazendo com que ele secrete menos FSH. Com a regressão do corpo lúteo, por não ter tido gravidez, os níveis de estradiol baixam e a hipófise anterior começa aumentar a secreção de FSH estimulando desenvolvimento de mais 8 a 10 folículos, iniciando por sua vez novo ciclo.

A fase secretória dura 14 dias a partir da ovulação.

Entenda o Ciclo Menstrual! CLIQUE AQUI!


Menopausa, do ponto de vista fisiológico

A mulher irá desenvolver cerca de 1000 folículos durante toda a sua vida a partir da menarca. A cada mês, são 8 a 10 folículos que se desenvolvem, e apenas um que faz a ovulação. Após a menopausa, a mulher terá poucos folículos ovarinos com predomínio de estroma ovariano na visualização ultrassonográfica. Os folículos na mulher pós menopausa, não são sensíveis ao FSH, e portanto, incapazes de iniciar um ciclo menstrual.


Climatério

O climatério refere-se a um período longo da mulher no qual é marcado pela transição do período reprodutivo para o não reprodutivo. Essa fase da vida da mulher é marcada pela redução gradativa dos hormônios esteroides (leia Resumo Sobre o Ciclo Menstrual) chegando ao ponto de não haver mais a menstruação.
Do ponto de vista didático, a menopausa pode ser dividido em:

  1. Climatério pré-menopausal;
  2. Transição menopausal;
  3. Climatério pós-menopausal.

Síndrome Climatérica

É o conjunto de sinais e sintomas, que a maioria das mulheres apresentam no climatério, devido á diminuição da função ovariana. Cerca de 60 a 70% das mulheres têm sintomas importantes que interfira na qualidade de vida. Por outro lado, cerca de 30 a 40% das mulheres são assintomáticas e até sentem-se satisfeitas pela ausência de cólicas mentrais, menstruação e ausência de risco de engravidar.
São sinais e sintomas mais comuns na síndrome climatérica:

  • Sintomas vasomotores;
  • Sintomas neuropsíquicos;
  • Disfunções sexuais e atrofia urogenital.Algumas mulheres tem predomínio dos vasomotores (fogachos, sudorese, palpitações), outras de sintomas neuropsíquicos (insônia, ansiedade, depressão, perda de confiança) e outras terão  sintomas de atrofia urogenital (são mais tardias) predominantes.

Sintomas Vasomotores

As sinais e sintomas de curto prazo da menopausa podem ser:

  • Fogachos com ou sem sudorese (Podem aparecer na mulher ainda menstruando normalmente) – São descritas como “ondas de calor” que manifestação como uma sensação de aumento súbito de calor na pele, principalmente nas regiões de tronco, face e pescoço podendo ser acompanhada de hiperemia e sudorese;
  • Palpitação (ouvir o próprio coração);
  • Sensação de desfalecimento, desconforto e mal estar com duração de 3 segundos a 30 minutos.

Obs.: A etiologia das ondas de calor são controversas, sendo atribuída principalmente a alterações no centro termorregulador provocadas pelo hipoestrogenismo, o que acarreta aumento na noradrenalina e aumentos de GnRH e do LH;

  • Calafrios;
  • Insônia ou sono agitado;
  • Vertigens;
  • Parestesias;
  • Diminuição da memória;
  • Fadiga.

Sintomas Neuropsíquicos

Os sintomas neuropsíquicos podem aparecer na menopausa porque os hormônios estrogênios fazem um papel regulador sobre os neurotransmissores cerebrais, especialmente na serotonina, relacionada ao humor e a alegria. Portanto, podem ser sintomas neuropsíquicos da menopausa:

  • Labilidade emocional (flutuação do humor);
  • Ansiedade;
  • Nervosismo;
  • Irritabilidade;
  • Melancolia;
  • Baixa de auto-estima;
  • Dificuldade para tomar decisões;
  • Tristeza;
  • Depressão.

Disfunções Sexuais

Com a diminuição da produção de estrogênios devido á cessação da atividade ovariana, ocorre alterações como:

  • Hipo ou atrofia do aparelho geniturinário;
  • Diminuição da libido;
  • Diminuição da frequência e resposta orgástica.

Manifestações Clínicas Não Transitórias

Alguns anos após a menopausa, a mulher irá apresentar sinais e sintomas de atrofia urogenital, que não são transitórios. A mucosa vaginal, colo uterino, uretra e bexiga são órgãos hormônios dependentes. Então a falta dos hormônios ovarianos irá gerar uma atrofia desses órgãos gerando alguns sintomas clínicos que irá interferir na qualidade de vida da mulher.

Sinais e sintomas referente á atrofia urogenital:

Sintomas genitais: Parede vaginais finas, ressecadas e com escassez de lactobacilos. Lactobacilos protegem a mucosa vaginal contra a invasão de bactérias invasoras. Assim, sem eles, a mulher poderá ter a proliferação de bactérias estranhas ao meio levando á irritação da parede vaginal (colpite atrófica). A mulher poderá sentir dores e até mesmo terem sangramentos na relação sexual;

Sintomas urinários: nictúria; disúria, urgência urinária, incontinência urinária de repetição. O estradiol é importante no trofismo (manutenção do crescimento ótimo) das vias urinárias;

Síndrome da deficiência androgênica feminina

A deficiência dos hormônios ovarianos levam á:

  • Falta de energia;
  • Cansaço exagerado;
  • Humor depressivo;
  • Perda da libido;
  • Pele seca e enrugamento precoce – Perda de 40% do colágeno da pele
    Esses sintomas podem melhorar com o tratamento da reposição de esterogênio acrescentando a testosterona. Mulheres que fazem reposição hormonal terão envelhecimento mais suave.

Disfunção Sexual na Menopausa

Cerca de 42% das mulheres terão disfunção sexual após 1 ano depois da menopausa. Esse número sobe para cerca de 88% depois de 8 anos após a menopausa.

Muitas vezes o profissional de saúde esquece de abordar esse tema com a mulher e deixando de dar uma boa assistência. Outro fator que merece destaque, é o fato de muitas separações ocorrerem após a menopausa, pois com a diminuição ovariana, a mulher pode ter dificuldades de manter sua vida sexual ativa


Menopausa Tratamento

Alimentação saudável

Alimentação saudável e a manutenção do peso adequado são fundamentais para promover a saúde e o bem-estar da mulher principalmente após a menopausa. A alimentação equilibrada possibilita que o organismo funcione adequadamente e esteja em boas condições. Vale ressaltar que o consumo inadequado dos alimentos contribuirá para:

  • Osteoporose;
  • Obesidade;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Dislipidemias;
  • Diabetes;
  • Hipertensão arterial sistêmica e outras.

Exercícios de Kegel

Os exercícios para reforço da musculatura do assoalho pélvico são indicados para mulheres em pós menopausa ou qualquer idade. Os exercícios melhoram o fluxo sanguíneo local, preveni e trata distopias genitais, incluindo incontinência urinária, prolapso genital e retal.

Cessação do tabagismo

O tabaco é um estimulante do sistema nervoso central, e por isso causa:

  • Dependência;
  • Ansiedade;
  • Depressão;
  • Aumento do estresse oxidativo e destruição celular;
  • Prejudica a circulação sanguínea levando ao envelhecimento precoce;
  • Piora do quadro cardiovascular;
  • Aumento da excreação do cálcio e risco de osteoporose;

Além disso o cigarro pode contribuir para o surgimento de câncer de pulmão, boca, faringe, laringe, etc.

Na menopausa, as mulheres tabagistas sentem mais fogachos, palpitações, calafrios, vertigens, fadiga, diminuição da memória e outros sintomas vasomotores.

Reposição Hormonal

A reposição hormonal melhora todos os sinais e sintomas da menopausa quando iniciado o primeiro ano após a menopausa. Além disso, a reposição hormonal:

  • Melhora a expectativa de vida (Quanto mais precoce a menopausa maior o risco de doenças cardiovasculares);
  • Antes da menopausa a mulher tem 4 a 5 vezes menos infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral. Após a menopausa, a mulher iguala-se em risco com o homem, porque ela tem um fator protetor, o estradiol.
  • Proteção contra a osteoporose;
  • Prevenção do câncer de mama – O risco de câncer de mama aumenta gradativamente após a menopausa. A incidência é de 3% aos 55 anos, podendo atingir 10% aos 80 anos de idade.
  • Prevenção do câncer do colo uterino;
  • Atua no controle do colesterol e dislipidemias;
  • Prevenção do hipotireoidismo – 10 a 15% das mulheres após a menopausa terão hipotireoidismo.

Referências Bibliográficas

FERNADES, João Soares; FORTUNATO, JM Soares; PINTO-CORREIA, Jorge. Fisiologia do Sistema Reprodutor Feminino. Universidade de Minho, Portugal. Disponível em <http://www.uff.br>. Acesso em 26 de nov. de 2017.

GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 11ª ed. Rio de Janeiro, Elsevier Ed., 2006.

MELEGARIO, Et Al. A influência do ciclo menstrual na flexivilidade em praticantes de ginástica de academia. Revista Brasileira Medicina Esporte, Rio de Janeiro, v.12, nº3, jan-mai, 2006. Disponível em <www.scielo.br>. Acesso em 26 de novembro de 2017.

TEIXEIRA, Et Al. Influência das diferentes fases do ciclo menstrual na flexibilidade de mulheres jovens. Revista Brasileira Medicina Esporte, Rio de Janeiro, v. 18, nº6, nov/dez, 2012. Disponível em <www.scielo.br>. Acesso em 26 de nov. de 2017.

marcus

Olá, meu nome é Marcus Vinícius, tenho 32 anos. Sou blogueiro, enferrmeiro e referência técnica do Centro de Atenção Psicossocial CAPS I de Lagoa da Prata/MG. Sou graduado em Enfermagem pela Universidade de Uberaba UNIUBE. Os meu objetivo neste blog é trazer um conteúdo esquematizado e de fácil entendimento para te auxiliar nas suas pesquisas e estudos na área de enfermagem, saúde pública e saúde como um todo.

Website: http://www.enfermagemesquematizada.com.br

Deixe uma resposta