Fatores que interferem na cicatrização

Existem vários fatores que interferem na cicatrização como:

  1. Fatores locais:  relacionados ás condições da ferida e técnica cirúrgica envolvida.
  2. Fatores gerais: relacionados ás condições clínicas do paciente.

Fatores Locais que interferem na cicatrização.

As condições da ferida e o meio pelo qual ela é tratada interfere na cicatrização da mesma. São considerados fatores locais que interferem na cicatrização:

  • Vascularização das bordas da ferida: A vascularização das bordas da ferida é essencial para a cicatrização pois permite o aporte adequado de nutrientes e oxigênio necessários para o metabolismo celular. No entanto, a vascularização depende das condições gerais do paciente como co-morbidades e tratamento da área da ferida.
  • Grau de contaminação da ferida: Uma incisão cirúrgica tem melhores condições de cicatrização do que uma ferida ocasionada por trauma no ambiente doméstico. É essencial a limpeza mecânica, remoção de corpos estranhos, detritos e tecido morto.
  • Tratamento adotado no tratamento da ferida: O tratamento adequado da ferida pode oferece condições ideais de cicatrização como a assepsia e antissepsia, técnica cirúrgica adotada e escolha do fio cirúrgico.

Veja também: Classificação das feridas.

Fatores Gerais que interferem na cicatrização.

Os fatores gerais que interferem na cicatrização são aqueles que envolvem a condição clínica do paciente como:

  • Idade: Quanto mais idoso for o paciente menos flexíveis são os tecidos. A diminuição da produção de colágeno leva a um tempo maior de cicatrização.
  • Hiperatividade do paciente: O repouso favorece a cicatrização. A hiperatividade dificulta a aproximação das bordas da ferida.
  • Oxigenação e perfusão dos tecidos: As doenças que alteram o fluxo sangüíneo normal podem afetar a distribuição dos nutrientes das células, assim como a dos componentes do sistema imune do corpo. Essas condições afetam a capacidade do organismo de transportar células de defesa e antibióticos, o que dificulta o processo de cicatrização. lém disso, o tabaco reduz a hemoglobina funcional e leva à disfunção pulmonar, o que reduz o aporte de oxigênio para as células e dificulta a cura da ferida.
  • Nutrição: uma deficiência nutricional pode dificultar a cicatrização, pois deprime o sistema imune e diminui a qualidade e a síntese de tecido de reparação.
  • Diabetes: a diabetes melito prejudica a cicatrização de ferida em todos os estágios do processo. O paciente diabético com neuropatia associada e aterosclerose é propenso à isquemia tecidual, ao traumatismo repetitivo e à infecção.
  • Medicamentos: Os corticosteroides, os quimioterápicos e os radioterápicos podem reduzir a cicatrização de feridas, pois interferem na resposta imunológica normal à lesão. Eles interferem na síntese protéica ou divisão celular agindo diretamente na produção de colágeno. Além do mais, aumentam a atividade da colagenase, tornando a cicatriz mais frágil.
  • Estado imunológico: nas doenças imunossupressoras, a fase inflamatória está comprometida pela redução de leucócitos, com conseqüente retardo da fagocitose e da lise de restos celulares. Pela ausência de monócitos a formação de fibroblastos é deficitária.

 

Referências Bibliográficas

TAZIMA, Maria de Fátima; VICENTE, Yvone Avalloni de Andrade; MORIYA, Tatachi. Biologia da Ferida e Cicatrização. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, São Paulo. 2008.

marcus

Olá, meu nome é Marcus Vinícius, tenho 32 anos. Sou blogueiro, enferrmeiro e referência técnica do Centro de Atenção Psicossocial CAPS I de Lagoa da Prata/MG. Sou graduado em Enfermagem pela Universidade de Uberaba UNIUBE. Os meu objetivo neste blog é trazer um conteúdo esquematizado e de fácil entendimento para te auxiliar nas suas pesquisas e estudos na área de enfermagem, saúde pública e saúde como um todo.

Website: http://www.enfermagemesquematizada.com.br

Deixe uma resposta