Contraindicação do aleitamento materno

Hoje, vamos falar de contraindicação do aleitamento materno. Para melhor organização, vamos separar este importante assunto em 5 partes, a saber:

  1. Quando a amamentação é absolutamente contraindicada;
  2. Quando a amamentação é relativamente contraindicada;
  3. Contraindicações falsas de amamentação;
  4. Doenças da criança que contraindicam a amamentação.
  5. Drogas utilizadas pela mãe que contraindicam a amamentação.

 

proibição Contraindicação do aleitamento materno

1 – Quando a amamentação é absolutamente contraindicada;

  • Psicose Puerperal – A Psicose puerperal é uma contraindicação do aleitamento materno pois há risco da mãe matar a criança e de cometer suicídio. No entanto, se mãe tiver supervisão estrita, ela pode amamentar. É importante ressaltar que a depressão pós- parto é comum na gestação e pode evoluir para a psicose puerperal.
  • Infecção pelo HIV – A mãe HIV positiva não pode amamentar uma vez que o vírus HIV é transmitido pelo leite materno. A criança deverá receber uma formula láctea.
  • Infecção pelo HTLV 1 e 2 – Assim como o vírus HIV, o HTLV também é transmitido pelo leite materno.

 

2 – Quando a amamentação é relativamente contraindicada;

  • Infecção pelo herpes simples 1 e 2 – A amentação somente será contraindicada quando as vesículas estiverem próxima ao mamilo. Se não estiver, ele deverá lavar bem as mãos. Se as feridas estiverem localizadas na boca da mãe, esta deverá colocar uma máscara para cobrir as feridas e amamentar normalmente;
  • Citomegalovírus – A amamentação somente é contraindica quando a criança nascer de parto prematuro menor de 32 semanas, por risco de citomegalia grave. O citomegalovírus passa em todas as secreções inclusive no leite e em geral a infecção do bebe é assintomática.

 

3 – Contraindicações falsas de amamentação (sempre cai em provas);

  • Hepatite B – O HBV passa em todas as secreções. A criança filha de uma portadora de vírus B deverá receber ao nascimento, tanto a vacina da hepatite B quanto a imunoglobulina específica para a hepatite B. Deste modo, a mãe poderá amamentar;
  • Tuberculose bacilífera – Mãe com tuberculose bacilífera poderá amamentar normalmente. A mãe deverá lavar bem as mãos e usar máscara para amamentar. Imediatamente após o nascimento, a criança filha de mãe bacilífera deverá receber isoniazida (quimioprofilaxia primária).
  • Obs.: Não se aplica a BCG em criança bacilífera dois motivos:

1 – A BCG não protege contra a infecção por micobactério tuberculosis. A BCG foi feita somente para proteger contra as formas graves: meningoencefalite e tuberculose miliar.

2 – Ao final de 3 meses, vamos fazer um teste tuberculínico para saber se a criança está infectada. O resultado para uma criança não infectada é um PPD não reator, no entanto, se a criança tomar a vacina ela terá PPD reator pois a BCG é uma vacina de bactéria viva e por isso não saberemos se a criança está com um PPD reator à bactéria vacinal ou se realmente ela está infectada. Portanto, se darmos a BCG não saberíamos se a criança foi infectada pela mãe ou se é reator agente vacinal. A BCG aqui, não protege, e atrapalha.

 

4 – Doença do RN que contraindica a amamentação:

  • A galactosemia – A galactosemia contraindica a amamentação. O distúrbio, transmitido por herança genética, é provocado pela incapacidade do organismo em transformar a galactose, um monossacarídeo proveniente do leite em glicose. O acúmulo de galactose no sangue causa lesões no SNC, tubular renal, catarata e cirrose hepática.A criança com galactosemia não poderá ingerir leite humano e nem de vaca. Deverá tomar leite de soja.
  • Fenilcetonúria – A fenilcetonúria é um distúrbio genético provocado pela enzima chamada enilalanina hidroxilase. Ela transforma fenilalanina em tirosina. O acúmulo de fenilalanina no sangue, por ser tóxica para o SNC, causa lesão grave. Vale lembrar que eu disse, o acúmulo de fenilalanina, pois trata-se de um aminoácido essencial e por isso a criança necessita de receber esse importante nutriente através do leite materno. O que não se pode é  ter uma grande quantidade de fenilalanina no sangue. A fenilcetonuria portanto, não é contraindicação ao aleitamento materno. O importante é compreender que, a criança deverá realizar exames de dosagem desse aminoácido para que possamos fazer o controle da ingestão de leite materno e o complemento com fórmula láctea sem fenilanina.

 

5- Drogas utilizadas pela mãe que contraindicam a amamentação.

Agora vamos falar das drogas que contraindicam a amamentação. Vamos abordar as que mais caem em provas porém existem muitas:

  • Drogas antineoplásicas ou composto radioativo – radioterapia e composto radioativo – Por ser mutagênica contraindica a amamentação.
  • Amiodarona e sais de ouro – Iodo pode levar a hipotireoidismo no bebe. Já o ouro é um metal pesado que acumula no em seu organismo após exposição prolongada, levando a risco de intoxicação.

Veja também: Vantagens do Aleitamento Materno

marcus

Olá, meu nome é Marcus Vinícius, tenho 32 anos. Sou blogueiro, enferrmeiro e referência técnica do Centro de Atenção Psicossocial CAPS I de Lagoa da Prata/MG. Sou graduado em Enfermagem pela Universidade de Uberaba UNIUBE. Os meu objetivo neste blog é trazer um conteúdo esquematizado e de fácil entendimento para te auxiliar nas suas pesquisas e estudos na área de enfermagem, saúde pública e saúde como um todo.

Website: http://www.enfermagemesquematizada.com.br

Deixe uma resposta