Classificação das feridas

Hoje abordaremos a classificação das feridas.

As feridas podem ser classificadas de três formas diferentes de acordo com:

  1. o agente causal;
  2.  o grau de contaminação e;
  3. o comprometimento tecidual.

 

1 – Classificação das feridas quanto ao agente causal:

  • Incisivas ou cirúrgicas: São feridas limpas produzidas por um instrumento cortante. Para que haja a cicatrização deverão ser fechadas por suturas. Os agentes utilizados são o bisturi, faca e lâmina;
  • Contusas:  São feridas causadas por traumatismo de tecidos moles. Geralmente a lesão é provocada por objeto rombo e caracterizada por hemorragia e edema;
  • Lacerantes: São ferimentos caracterizados por margens irregulares. Além disso são provocados por lesão por tração evidenciando um rasgo ou arrancamento tecidual. Exemplo: Mordedura de cão;
  • Perfurantes: São lesões caracterizadas por pequenas aberturas na pele com predomínio da profundidade sobre o comprimento. Exemplo: ferimentos provocados por armas de fogo ou ponta de faca.

Veja também: Tipos de cicatrização.

 

2 – Classificação das feridas quando ao grau de contaminação:

Podemos classificar as feridas quanto ao grau de contaminação em:

  • Limpas: As feridas limpas não apresentam sinais de infecção. Além disso, elas não atingem os tratos respiratórios, digestivo, genital ou urinário. A probabilidade de ocorrência de infecção nas feridas limpas é bem baixa, cerca de 1 a 5%. Exemplo: Feridas produzidas em ambiente cirúrgico;
  • Limpas-contaminadas: São feridas ocorridas no ambiente doméstico ou que atinjam os tratos respiratórios, digestivo, urinário e genital. No entanto, em situações controladas, o risco de infecção não ultrapassa 10%;
  • Contaminadas: São consideradas contaminadas aquelas feridas acidentais com mais de seis horas de trauma ou que tiveram contato com substâncias contaminadas como terra e fezes. São exemplos as cirurgias que não respeitaram a técnica asséptica. Apresentam índice de infecção entre 20 a 30%;
  • Infectadas: Aquelas que apresentam sinais nítidos de infecção.

Veja também: Fases da Cicatrização.

 

3 – Classificação das feridas quanto ao comprometimento tecidual:

  • Estágio I: Não há perda tecidual com o comprometimento apenas da epiderme.
  • Estágio II: Há perda tecidual com o comprometimento da epiderme, derme ou ambas.
  • Estágio III: Comprometimento total da pele e necrose de tecido subcutâneo, porém não atinge a fáscia muscular.
  • Estágio IV: Há grande destruição de tecido, chegando a correr lesão óssea ou muscular.

Veja também: Fatores que interferem na cicatrização.

 

Referências Bibliográficas

TAZIMA, Maria de Fátima; VICENTE, Yvone Avalloni de Andrade; MORIYA, Tatachi. Biologia da Ferida e Cicatrização. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, São Paulo. 2008.

 

Marcus Vinícius

Olá, meu nome é Marcus Vinícius. Sou blogueiro, enfermeiro e responsável técnico pelo Centro de Atenção Psicossocial CAPS I do Município de Lagoa da Prata/MG. Este blog tem o objetivo de trazer um conteúdo esquematizado e de fácil assimilação. Aproveite e entre em contato em caso de dúvidas e sugestões!

Website: http://www.enfermagemesquematizada.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *